Tião Pereira – Dezessete anos sem o mestre » Sandro Penelú - Caneta Afiada » Infocultural
Sandro Penelú

Tião Pereira – Dezessete anos sem o mestre

26/05/2017

Hoje, 26/05, somam-se dezessete anos que “partiu para o andar de cima” o maior incentivador cultural que Feira de Santana conheceu: Tião Pereira. Ele editou durante uma década o Informativo Cultural, um jornal inteiramente voltado para a divulgação e valorização dos nossos artistas, revelou diversos nomes em vários campos da arte, produziu com êxito diversos festivais de música, fazendo surgir uma gama de artistas que hoje fazem sucesso dentro e fora de Feira de Santana. Além de jornalista e professor, Tião Pereira foi também um artista, tendo se destacado como ator, teatrólogo, poeta, romancista e compositor. Tião era autodidata por natureza e tinha o dom para praticamente todas as artes. Gostava de se desembaraçar sozinho quando a vida o colocava em obstáculos difíceis de serem transpostos.

Tenho lutado, através da imprensa, para que o nome de Tião Pereira possa ser reconhecido pelos nossos governantes e, a partir daí, batizar alguma coisa ligada à cultura local com o seu nome. Não desistirei. Sei que um dia os homens do poder vão pensar com mais carinho ainda no assunto, imortalizando de vez o nome de alguém tão importante para todas as artes em Feira de Santana.

*FATOS CURIOSOS ENVOLVENDO TIÃO PEREIRA –

Sempre autodidata, Tião juntou um dinheirinho e se dirigiu até uma loja de carros para comprar o seu veículo, um Fiat 147. Não sabia dirigir, mas isso para ele não era problema. O vendedor mostrou-lhe o carro, fecharam a compra e lhe entregou as chaves, perguntando se era ele mesmo quem iria dirigir. Tião respondeu que sim e que só precisava que lhe fosse mostrada a posição das marchas (rsrs). O vendedor lhe mostrou e TP deu a partida no veículo e só foi parar em Nova Soure, onde tinha uns amigos e acabou indo visitá-los de carro próprio...

*MAIS UMA DELE – Ainda na década de 1980, vendo que o Jomafa, bairro onde morava, estava um pouco parado em termos de atividades culturais, TP conseguiu criar um grupo de teatro, o Grutejo e, em cima de um caminhão, armou um palco, lotando a praça central do bairro para ver a estreia do espetáculo. Havia tanta gente, que chegaram a temer pela segurança das pessoas...

*MAIS UMA... – Anos depois, TP adquiriu um problema no esôfago e o médico lhe proibiu de tomar refrigerante ou coisa parecida. O detalhe é que, quando as dores começavam, ele as curava exatamente com um determinado refrigerante. Moral da história: deixou de tomar os remédios e passou a se “tratar” com aquele refrigerante...

*ESTA ATÉ PARECE UMA PROFECIA – Por várias vezes, na redação do Informativo Cultural Tião nos dizia que só iria morrer depois que visse (in loco) as comemorações da virada de ano em Copacabana. E foi o que ocorreu: TP viajou para o Rio, no final da década de 1990. Presenciou a virada de ano, em Copacabana, depois viajou para São Paulo e lá completou o seu destino, no dia 26 de maio de 2000...

*APENAS MAIS UM AGRADECIMENTO E RECONHECIMENTO – Tião foi o grande incentivador da minha carreira artística. Era ele quem me apresentava aos donos de bares, etc. Se hoje meu trabalho é reconhecido em Feira, devo muito a esse que hoje é um dos meus anjos de guarda: Tião Pereira.  

Sandro Penelú